sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

“Nature’s Nether Regions” (“As partes baixas da natureza”, em tradução livre), o cientista holandês Menno Schilthuizen lança um olhar abrangente em todo o reino animal."


At some point in the history of the ruddy duck, a species that lives in North America and the Andes, the females decided that blue beaks were sexy. The evolution did the rest of the work and favored this "extravagant" feature of the species. But evolution very carefully selected another extravagant male trait: a long and penis-shaped corkscrew.
In his new book, "Nature's Nether Regions" ( "The lower parts of nature" in free translation), the Dutch scientist Menno Schilthuizen takes a comprehensive look at the whole animal kingdom - ducks until hermaphrodite snails who have sex every day to sharks, using one of his penis, or "claspers" (they have two) to remove rival sperm out of the female's vagina - to illustrate an incredible diversity of genitalia animals that have been largely neglected, even among scientists.
A slow start

"I think a lot of evolutionary biologists and people who work on sexual selection were not fully aware of genital diversity that exists," says Schilthuizen. The study of the evolution of the sexual parts only took off in the last 25-30 years. "The information was there, but was contained within the field of taxonomy (the science that defines the biological organism groups), which was used extensively for the identification and circumscription of species."

10 animals who practice homosexuality
Many bee species, for example, are very similar, and the only way that taxonomists had to distinguish them was to capture a male and examine your penis, explains Schilthuizen in his book. But it took decades for scientists to realize that specific sexual parts of the species were something more complex.
Let us return to the white-headed duck: While most birds have no penis of any nature, ducks have, and these prodigious members unfold explosively when it is time to mate. Only recently have scientists discovered that some legs have vaginas shaped corkscrew with long spirals in the opposite male member of direction. This allows the fight against undesirable female and male notoriously aggressive, since the penis duck does not fit easily. Thus, the development of the genital organs of ducks looks less like the byproduct of demanding female, and more like the result of a sexual arms race, where the male and female parts have evolved in response to the constantly evolving equipment on the other.
Charles Darwin may have some of the blame for this limited view. In all his contributions to the study of evolution, Darwin's focus on the secondary characteristics disconnected the sexual organs may have limited how biologists began investigating sexual selection.
10 bizarre sexual habits of animals
"Because Darwin led the way with colorful feathers instead of genitals, the people who work on sexual selection immediately began work on the feathers of birds and external characteristics of pre-copulatory sexual selection," explains Schilthuizen. And sexual selection of bright colors and bizarre low parts are not just special cases of natural selection.
"It's like chasing a moving target," compares the author. "There is a kind of evolution that has an ideal or an endpoint, such as adaptation to the environment often has. The atmosphere is usually much more static than something like the other half of the species that is coevoluindo in response. That is, by definition, a very dynamic evolution of type. "
bizarre genitalia: female penis, vagina male

When talking about the genitals, scientists risk to get stuck in a "semantic quagmire" as the Schilthuizen calls in his book. It may have been clear in April when a group of researchers announced the discovery of four new insect species in which females have a penis - or, technically, an organ called "gynosome" which acts as a penis - and male organ more resembles a vagina with a valuable package of sperm.
"It's a good way to illustrate that gender roles do not concern the sex chromosome that you have or what kind of sex cells you produce, but it's really about how much you invest in offspring, and this is what drives not only the intensity but also the direction of sexual selection, "explains Schilthuizen.
In relation to the roles reversed with insects of the genus neotrogla, sperm from males packages or spermatophore, rare provide nutrients for the production of eggs and offspring own power.
Biologists warn: Media sensacionaliza animal sexual behavior
"The male became the sex that invests most of the nutrients in the seed, so that he became the demanding sex, and females compete for access to males with their big spermatophores of nutrients," explains Schilthuizen. "This has set in motion the evolution of an intermittent organ in females to force or persuade the male to release the spermatophores."
Human bias

Perhaps our tendency to anthropomorphize even tiny insects cause the sex neotrogla seems bizarre. But if the human bias distorts the way we look at the animals, also distorts the way we see ourselves.
Just recently, in the 1960s, many people - even biologists - kept quite romantic notion that female orgasm was something uniquely human, and perhaps functioned as a way to promote bonding between couples. But for many animals, dating goes beyond sport a coat of gaudy feathers. Most female mammals have a clitoris, and probably experience orgasms during sex, although the body may take an entirely different form of the human variety. Hyenas spotted females, for example, give birth through their clitoris 18cm long, which more resemble a pseudopenis.
So what separates humans from the rest of the animals? Human males have spines on their penis as chimpanzees (closest living relatives of humans) and other great apes, and females do not experience noticeable swelling of the vagina when they are fertile and ready to mate. But it can reverse the argument and find resources about any animal that make them special.
"When all is bizarre, then nothing is bizarre. We have a tendency to continue to use the familiar as if it were the norm, and we must realize that very few animals because of this diversity, can be directly compared to humans or other animals with which we are familiar. And at a certain point, I would not say you become blasé, but you become aware that this unpredictability is more characteristic of sexual evolution than anything else. When you realize this, you cease to be surprised, "simplifies Schilthuizen.
At the same time, with more knowledge about the multiplicity of intimate arrangements in the animal world, the most banal creatures seem more fascinating.

SEARCH SITE: http: //

Órgãos genitais bizarros

Em algum momento na história do pato-de-rabo-alçado-americano, uma espécie que vive na América do Norte e nos Andes, as fêmeas decidiram que bicos azuis eram sexys. A evolução fez o resto do trabalho e favoreceu este “recurso extravagante” da espécie. Mas a evolução muito cuidadosamente selecionou outro traço masculino extravagante: um pênis longo e em forma de saca-rolhas.
Em seu novo livro, “Nature’s Nether Regions” (“As partes baixas da natureza”, em tradução livre), o cientista holandês Menno Schilthuizen lança um olhar abrangente em todo o reino animal – de patos até caramujos hermafroditas que fazem sexo todos os dias até os tubarões, que usam um de seus pênis, ou “cláspers” (eles têm dois), para tirar o esperma rival para fora da vagina da fêmea – para ilustrar uma incrível diversidade de genitálias animais que têm sido amplamente negligenciadas, mesmo entre os cientistas.
Um começo lento

“Eu acho que um monte de biólogos evolucionistas e pessoas que trabalham na seleção sexual não estavam plenamente conscientes da diversidade genital que existe”, acredita Schilthuizen. O estudo da evolução das partes sexuais só decolou nos últimos 25 a 30 anos. “A informação estava ali, mas estava contida dentro do campo da taxonomia (ciência que define os grupos de organismos biológicos), onde foi utilizada extensivamente para a identificação e circunscrição das espécies”.

10 animais que praticam a homossexualidade
Muitas espécies de abelha, por exemplo, são muito parecidas, e a única maneira que taxonomistas tinham para distingui-las era capturar um macho e examinar seu pênis, explica Schilthuizen em seu livro. Mas levou décadas para os cientistas perceberem que partes sexuais específicas das espécies eram algo mais complexo.
Voltemos ao pato-de-rabo-alçado: enquanto a maioria das aves não tem pênis de qualquer natureza, patos têm, e esses prodigiosos membros desdobram-se explosivamente quando é hora de acasalar. Só recentemente os cientistas descobriram que algumas patas têm vaginas em forma de saca-rolhas, com longas espirais na direção oposta do membro do macho. Isso permite que a fêmea lute contra machos indesejáveis e notoriamente agressivos, uma vez que o pênis do pato não se encaixa tão facilmente. Desta forma, a evolução dos órgãos genitais dos patos parece menos com o subproduto de fêmeas exigentes, e mais como a consequência de uma corrida armamentista sexual, onde as peças masculinas e femininas evoluíram em resposta ao equipamento constantemente em evolução do outro.
Charles Darwin pode ter alguma parte da culpa por essa visão limitada. Em todas as suas contribuições para o estudo da evolução, o foco de Darwin em características secundárias desconectadas dos órgãos sexuais pode ter limitado como os biólogos começaram a investigar a seleção sexual.
10 bizarros hábitos sexuais dos animais
“Porque Darwin abriu o caminho com penas coloridas, em vez de órgãos genitais, as pessoas que trabalham na seleção sexual começaram imediatamente a trabalhar na plumagem de aves e características externas de seleção sexual pré-copulatória”, esclarece Schilthuizen. E a seleção sexual das cores brilhantes e partes baixas bizarras não são apenas casos especiais de seleção natural.
“É como perseguir um alvo em movimento”, compara o autor. “Não é um tipo de evolução que tem um ideal ou um ponto final, como a adaptação ao ambiente muitas vezes tem. O ambiente é geralmente muito mais estático do que algo como a outra metade da espécie que está coevoluindo em resposta. Isso é, por definição, um tipo muito dinâmico de evolução”.
Órgãos genitais bizarros: Pênis femininos, vaginas masculinas

Ao falar sobre os órgãos genitais, os cientistas arriscam-se a ficar presos em um “atoleiro semântico”, como o chama Schilthuizen em seu livro. Isso talvez tenha ficado claro em abril, quando um grupo de pesquisadores anunciou a descoberta de quatro novas espécies de insetos em que as fêmeas têm um pênis – ou, tecnicamente, um órgão chamado de “gynosome”, que age como um pênis – e o órgão masculino mais se assemelha a uma vagina com um pacote valioso de esperma.
“É uma boa maneira de ilustrar que os papéis sexuais não dizem respeito ao cromossomo sexual que você tem ou que tipo de células sexuais você produz, mas é realmente sobre o quanto você investe na prole, e isso é o que impulsiona não apenas a intensidade, mas também a direção da seleção sexual”, explica Schilthuizen.
Em relação aos insetos com os papéis invertidos do gênero Neotrogla, os pacotes de esperma dos machos, ou espermatóforos, oferecem nutrientes raros para a produção de óvulos e a própria alimentação da prole.
Biólogos alertam: mídia sensacionaliza o comportamento sexual animal
“O macho tornou-se o sexo que investe a maior parte dos nutrientes na descendência, de modo que ele se tornou o sexo exigente, e as fêmeas competem pelo acesso aos machos com seus grandes espermatóforos de nutrientes”, explica Schilthuizen. “Isso colocou em movimento a evolução de um órgão intermitente nas fêmeas para forçar ou persuadir o macho a liberar os espermatóforos”.
O viés humano

Talvez a nossa tendência de antropomorfizar mesmo minúsculos insetos faça com que o sexo do Neotrogla pareça bizarro. Mas se o viés humano distorce a forma como olhamos para os animais, também distorce a forma como vemos a nós mesmos.
Ainda recentemente, na década 1960, muitas pessoas – até mesmo biólogos – mantiveram a noção bastante romântica que o orgasmo feminino era algo exclusivamente humano e, talvez, funcionava como uma maneira de promover a ligação entre os casais. Mas, para muitos animais, o namoro vai além de ostentar um casaco de penas chamativas. A maioria dos mamíferos do sexo feminino têm um clitóris, e provavelmente experiencia orgasmos durante o sexo, embora o órgão possa assumir uma forma totalmente diferente da variedade humana. Hienas malhadas fêmeas, por exemplo, dão à luz através de seus clitóris de 18 centímetros de comprimento, que mais parecem um pseudopênis.
Então, o que separa os humanos do resto dos animais? Os machos humanos não têm espinhos em seus pênis como os chimpanzés (parentes vivos mais próximos dos seres humanos) e outros grandes primatas, e as fêmeas não experimentam inchaço visível da vagina quando estão férteis e prontas para acasalar. Mas pode-se reverter o argumento e encontrar recursos a respeito de qualquer animal que os tornam especial.
“Quando tudo é bizarro, então nada é bizarro. Nós temos uma tendência de continuar a usar o que é familiar como se fosse a norma, e temos de perceber que muitos poucos animais, por causa dessa diversidade, podem ser diretamente comparados aos seres humanos ou a outros animais com os quais nós estamos familiarizados. E em um certo ponto, eu não diria que você se torna blasé, mas você se torna ciente de que esta imprevisibilidade é mais característica da evolução sexual do que qualquer outra coisa. Quando você percebe isso, você deixa de ser surpreendido”, simplifica Schilthuizen.
Ao mesmo tempo, com mais conhecimento sobre a multiplicidade de arranjos íntimos no mundo animal, as criaturas mais banais parecem mais fascinantes.


É comum entrevistados e especialistas julgarem que a mídia “sensacionalizou” ou divulgou informações errôneas sobre determinado assunto.
Isso, de fato, acontece bastante. Principalmente na cobertura de assuntos científicos, na qual muitos detalhes importam, algumas percepções podem ser mal interpretadas. Por exemplo, quantas manchetes sobre a “cura do câncer” você já viu, para depois entender que apenas um pequeno avanço foi feito, que deixou os cientistas mais próximos da conquista?
Recentemente, os pesquisadores Mark Brown, da Universidade de Londres (Reino Unido) e Andrew Barron, da Universidade Macquarie (Austrália), fizeram um alerta para a população: os relatos da mídia sobre sexo animal são muitas vezes sensacionalistas, e alguns “humanizam” nossos amigos animais, o que pode levar a um mal-entendido sobre a natureza da sexualidade humana.
Os biólogos examinaram 48 artigos de jornais sobre o comportamento sexual de animais nos últimos anos. Os resultados foram publicados na revista Nature.
Brown chamou algumas manchetes de “bastante chocantes”. Os cientistas citaram como exemplo a cobertura sobre um estudo de 2007 que encontrou uma manipulação genética que poderia mudar o comportamento sexual em vermes nematoides. Esse estudo foi relatado com manchetes como: “A orientação sexual é genética em vermes, diz estudo”.
O problema com esse tipo de alegação, explica Brown, é que a orientação sexual é uma etiqueta social apenas para os seres humanos, não para os animais. Não podemos, de forma alguma, comparar as duas situações. Eles são tão diferentes da gente, que estes nematódeos não são sequer divididos em machos e fêmeas, como os seres humanos; suas populações são compostas de machos e hermafroditas.
Porém, o artigo dá a impressão de que a homossexualidade em humanos pode ser “curada” como um “interruptor genético”, como se fosse possível mudar um gene e fazer alguém deixar de ser homossexual, o que é, naturalmente, “um absurdo”, diz Brown.
No geral, os pesquisadores afirmam que o preocupante é ligar o comportamento sexual animal à orientação sexual humana, passando a ideia de que a sexualidade humana é uma simples questão de genes e hormônios. Dessa forma, essas matérias podem criar a percepção de que a não heterossexualidade seja uma anormalidade ou doença.
“É muito importante que esta ciência seja retratada corretamente, porque, enquanto em algumas áreas do mundo, os membros da comunidade LGBT podem viver abertamente sem serem discriminados, em muitos países eles ainda estão sofrendo por serem eles mesmos”, afirmou Brown.
Os pesquisadores também deixam um alerta aos cientistas que fazem esses estudos sobre comportamento sexual animal. Segundo Brown e Barron, as melhores reportagens foram resultado de estudos em que os cientistas se recusaram a confundir o comportamento humano com o animal.
Por exemplo, em 2008, a bióloga Lindsay Young se negou a comparar o seu trabalho sobre o comportamento de albatrozes fêmeas que se relacionavam à mulheres lésbicas. “Lésbica é um termo humano. Este estudo é sobre o albatroz”, disse ela.
Apesar de sua recusa em fazer a conexão humana, a pesquisa de Young foi noticiada amplamente. “Eu não acho que você necessariamente tem que fazer uma comparação com os seres humanos para obter a cobertura de seu trabalho”, opinou.
It is common respondents and experts deem that the media "sensacionaliza" or released erroneous information about a particular subject.
This, in fact, it happens a lot. Mainly in covering scientific topics, in which many details matter, some insights can be misinterpreted. For instance, how many headlines about the "cure for cancer" have you seen, then understand that only a small advance was made, leaving the closest scientists achievement?
Recently, Mark Brown researchers at the University of London (UK) and Andrew Barron from Macquarie University (Australia), made an alert to the population: the media reports about animals sex are often sensationalized, and some "humanize" our animal friends, which can lead to a misunderstanding of the nature of human sexuality.
Biologists examined 48 newspaper articles about the sexual behavior of animals in recent years. The results were published in the journal Nature.
Brown caught a few headlines of "quite shocking". Scientists cited as an example the coverage of a 2007 study that found a genetic manipulation that could change sexual behavior in nematode worms. This study was reported with headlines such as: "Sexual orientation is genetic in worms, study says."
The problem with this type of claim, says Brown, is that sexual orientation is a social label only for humans, not for animals. We can not, in any way, compare the two situations. They are so different people, they are not even nematodes divided into males and females, and humans; their populations are comprised of males and hermaphrodites.
However, the article gives the impression that homosexuality in humans can be "cured" as a "genetic switch", as if one could change a gene and make someone stop being gay, which is of course "nonsense" says Brown.
Overall, the researchers say the concern is to link the animal sexual behavior to human sexual orientation, passing the idea that human sexuality is a simple matter of genes and hormones. Thus, these materials can create the perception that non-heterosexuality is an abnormality or disease.
"It is very important that this science is correctly portrayed, because while in some areas of the world, members of the LGBT community can live openly without being discriminated against in many countries they are still suffering because they are themselves," Brown said.
The researchers also leave a warning to scientists who make these studies on animals sexual behavior. According to Brown and Barron, the best reports were the result of studies in which the scientists refused to confuse human behavior with the animal.
For example, in 2008, the biologist Lindsay Young refused to compare his work on the behavior of albatrosses females that were related to lesbian women. "Lesbian is a human term. This study is about albatross, "she said.
Despite his refusal to make a human connection, Young's research was reported widely. "I do not think you necessarily have to make a comparison with humans for the coverage of their work," he opined."


Nenhum comentário: